IMPRENSA

Atech conquista CMM e inaugura fábrica de software

Com a certificação a empresa quer expandir seus negócios no setor privado e ganhar espaço no mercado internacional

A Atech Tecnologias Críticas acaba de conquistar a certificação CMM, nível 2, um ano e dois meses após iniciar o processo em sua fábrica de software. Com isso, a Atech se credencia a disputar o mercado internacional desse segmento. O processo de avaliação foi conduzido pela ISD Brasil, única empresa com atuação no país credenciada junto ao SEI-Software Engineering Institute, entidade criadora do CMM. A empresa também forneceu todo o apoio de consultoria e treinamento para a Atech.

O CMM (Capability Maturity Model) é um modelo de qualidade reconhecido internacionalmente como de melhores práticas. Os resultados de uma avaliação oficial de CMM são reconhecidos pelo SEI.

O nível 2 do CMM comprova a capacidade da empresa de manter a qualidade em todo o processo de desenvolvimento do software e de cumprir os objetivos dentro dos prazos estipulados. "Neste nível, a organização é capaz de assumir compromissos, prazos, custos e garantir a qualidade do serviço prestado", explica o diretor de Negócios da Atech, Fernando Simões.

Segundo Renato Chaves Vasques, consultor da ISD Brasil e líder da avaliação que constatou o nível 2, "a empreitada da Atech tem seu diferencial na estruturação de uma fábrica de software dotada das melhores práticas de engenharia de software e, ao mesmo tempo, de boas práticas de gestão de projetos". Carlos Alberto Caram, diretor executivo da ISD Brasil complementa: "Neste segmento, não há como competir no mercado nacional e internacional sem estar preparado. A Atech foi prudente em lançar sua fábrica de software após a conquista do nível 2 - isso já lhe dá credibilidade para alçar novos vôos".

Ao adotar o CMM, uma empresa partirá do nível 1 (inicial), em que o processo é imprevisível e controlado de forma insatisfatória, para o nível 2 (repetível), em que a empresa possuirá processos disciplinados. No nível 3 (definido), ela possuirá processos-padrão e consistentes. O nível 4 (gerenciado) estabelece processos que podem ser medidos e controlados. No nível 5 (otimização), a organização possuirá processos continuamente melhorados.

Já na primeira quinzena de setembro, a Atech deu início aos procedimentos visando à obtenção do CMM nível 3. No Brasil, apenas 18 das 5.400 empresas de software estão certificadas com o CMM. Dessas, três estão no nível 3, as demais encontram-se no nível 2. O Brasil ocupa a sétima posição no mercado mundial de fabricantes de software em volume de negócios. Segundo dados do governo, o setor comercializou no ano passado US$ 8,5 bilhões. Para 2003, a previsão é de US$ 9,2 bilhões.

Expertise - Fundada em 1997, a Atech atua nas áreas de defesa aérea, aeroespacial, vigilância, segurança pública, proteção territorial, telecomunicações, logística de empreendimentos, energia e meio ambiente. Com unidades no Brasil (São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro e Manaus) e nos Estados Unidos (Boston), a organização reúne mais de 400 profissionais especializados em áreas como as de desenvolvimento de software, integração de sistemas, geoprocessamento, gerenciamento de empreendimentos e outras.

A empresa é a responsável pela integração do Sivam (Sistema de Vigilância da Amazônia) e pelo desenvolvimento de sistemas que controlam cerca de 80% do tráfego aéreo no país. Na América Latina, ela é a única a fabricar softwares para defesa e controle do espaço aéreo e aparece na lista das dez maiores empresas do mundo no segmento. As demais fabricantes estão sediadas nos Estados Unidos e Europa.

Fábrica - Conquistado o CMM, a Atech se prepara para outros empreendimentos. Com a inauguração de sua fábrica de software, a empresa pretende ampliar o atendimento ao setor privado e a outros nichos do mercado. Segundo o gerente da fábrica, Ivanir Costa, a unidade começou a funcionar simultaneamente aos procedimentos para a obtenção do CMM. "Queríamos montá-la de acordo com as exigências do mercado mundial", ressalta.

Ele conta que, no início, a fábrica mantinha seis profissionais trabalhando em um único projeto. Atualmente, a unidade dispõe de 30 pessoas envolvidas no desenvolvimento de dez projetos para clientes em áreas como energia, telecomunicações, farmacêutica e portais corporativos dos mercados nacional e internacional.

A expectativa, segundo ele, é aumentar o número de pessoal e dobrar o número de trabalhos até o final deste ano.

Sobre a ISD Brasil
No Brasil há três anos, a ISD Brasil é subsidiária local da americana ISD-Integrated System Diagnostics Inc. e conduz a adoção de CMM (consultoria, treinamento e avaliações) em mais de 30 clientes no país. A ISD é a primeira empresa internacional a atuar na América do Sul com foco exclusivo em melhoria de processos baseada em modelos. A empresa promoverá, de 22 a 24 de outubro próximo, no hotel Gran Meliá WTC São Paulo, o ISD Brasil Customers Conference, evento em que seus clientes, entre eles a Atech, mostrarão sua experiência prática na adoção do CMM.

Últimas Notícias

30/06/2016 - Prime IT renova o nível de maturidade 3 do CMMI – DEV

28/05/2016 - E-VAL Conquistou Novamente a Classificação CMMI

23/11/2015 - ISD Brasil fecha Parceria para Assessoria em PLM com Cadware -Technology

07/09/2015 - Como comprovar a autenticidade da certificação CMMI®

23/03/2015 - CCEE – Qualidade em seus processos

08/05/2014 - Amcom de Blumenau conquista nível 3

30/07/2013 - E-VAL Tecnologia atinge o nível 2 do CMMI

30/01/2013 - T-Systems do Brasil recebe recertificação CMMI Nível 3

11/12/2012 - Arthur Valle ministra o 100º curso de CMMI oficial da ISD Brasil no país

07/02/2012 - André Pinho, da ISD Brasil, é certificado avaliador de alta maturidade